Amazonas

Em dois meses, Amazonas registra 108 casos de violência sexual contra crianças e adolescentes

Entre os registros, há 14 casos de assédio sexual, 84 estupros, dois casos de exploração sexual e um de pornografia infantil

O Dia Nacional de Combate ao Abuso e Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes, lembrado nesta terça-feira (18/05), é uma data instituída em alusão ao trabalho realizado para prevenir ocorrências de crimes sexuais contra o público infantojuvenil. A Fundação de Vigilância em Saúde do Amazonas (FVS-AM) aproveita a ocasião para alertar e conscientizar a população em como identificar e proteger as crianças desses abusos.

Dados mais atualizados da Gerência de Doenças e Agravos Não Transmissíveis da FVS (GDANTs/FVS-AM), entre janeiro e fevereiro de 2021, 108 casos de violência sexual contra crianças e adolescentes foram registradas no estado. Entre os registros, há 14 casos de assédio sexual, 84 estupros, dois casos de exploração sexual, um de pornografia infantil e sete outros tipos de casos não classificados nas categorias anteriores.

O diretor-presidente da FVS-AM, Cristiano Fernandes, destaca que o dia é importante para discutir e continuar combatendo o abuso e a exploração sexual infantojuvenil. “Esta data é necessária para informar e debater sobre esse problema, que deve sempre ser combatido”, disse Cristiano.

A psicóloga da FVS-AM, Cassandra Torres, aponta que é preciso explicar sobre precaução; ensinando, por exemplo, a nomear todas as partes do corpo, inclusive as partes íntimas, e os toques que podem ou não ser permitidos. “É necessário que a criança reconheça quem são os adultos confiáveis do seu ciclo familiar, a quem ela pode recorrer, caso precise de ajuda ou se sentir ameaçada”, destacou.

Segundo a psicóloga, a criança ou adolescente que passa por abuso, pode ter diversos problemas em longo prazo. “Essa criança pode desenvolver depressão, ansiedade e até mesmo dificuldade em se relacionar com outras pessoas, na vida adulta. É importante que a criança e sua família tenham suporte psicológico, para que os danos mentais sejam minimizados”, acrescentou.

Combate – Algumas orientações para evitar casos de assédio contra crianças e adolescentes são: para os pais, evitar beijar na boca da criança, pois este ato pode deixar as crianças vulneráveis, já que outros adultos podem se aproveitar da situação para fazer o mesmo; observar o comportamento da criança, caso ela seja extrovertida e fique mais retraída, se isole de outras crianças, demonstre irritabilidade, torne-se agressiva, tenha muitos pesadelos à noite, são sinais de que algo pode estar errado; prestar atenção nas brincadeiras, já que a criança tende a refletir coisas que vivencia nelas; e estar atento ao corpo, pois muitas violências deixam marcas físicas.

Denúncia – As denúncias de abuso e exploração sexual podem ser feitas pelo Disque 100, ou pessoalmente, no conselho tutelar mais próximo ou em delegacias de polícia civil. Em Manaus, o registro é realizado na Delegacia Especializada em Proteção à Criança e ao Adolescente (Depca), na zona oeste da capital. Não é necessário revelar a identidade para denunciar.

Com informações da Secretaria de Estado da Comunicação (Secom). Foto: EBC

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: