Sem categoria

Hospitais alertam: medicamentos para pacientes com Covid-19 estão no fim

Governo Bolsonaro cancelou, em agosto de 2020, a importação desses medicamentos para intubação sem qualquer justificativa

Conforme o Vocativo antecipou no início de março, o Brasil se aproxima de um colapso no fornecimento de medicamentos para intubação depois do aumento descontrolado de casos de Covid-19 registrado nos últimos meses. Enquanto isso, vem a público a informação que o governo Bolsonaro cancelou, em agosto de 2020, a importação justamente desses medicamentos e sem qualquer justificativa, segundo o Conselho Nacional de Saúde (CNS).

Após o cancelamento, no final de agosto o conselho publicou a recomendação de número 54, na qual apontou diversas considerações sobre o risco de falta de insumos e pediu que o Ministério da Saúde e a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) tomassem providências para regularizar o estoque desses insumos.

A agência divulgou nesta sexta-feira (19) uma nota técnica dizendo que tem trabalhado em várias frentes para reduzir o risco de desabastecimento de medicamentos, em especial os necessários para manejo clínico de pacientes com covid-19, no qual se incluem medicamentos necessários para intubação de pacientes com baixa saturação de oxigênio.

Enquanto isso, a Associação Nacional de Hospitais Privados (Anahp) divulgou uma carta alertando para o iminente colapso no fornecimento de medicamentos para pacientes com a Covid-19 em todo o país. Alguns deles deverão acabar dentro de alguns dias caso o estoque não seja renovado imediatamente. Confira a cara:

A situação é crítica e, se medidas urgentes não forem tomadas em âmbito nacional, mais pacientes morrerão. Há um ano, o Brasil tem se mobilizado para o enfrentamento ao novo coronavírus (Covid-19). A saúde, sem dúvida, é um dos setores mais afetados pela pandemia, e tem se deparado com vários desafios importantes.

Um dos mais graves, neste momento, é a iminente escassez de medicamentos necessários para atendimento aos pacientes graves acometidos pela Covid-19, bem como a requisição desses medicamentos pelas secretarias municipais de saúde e pelo Ministério da Saúde.

Em levantamento realizado pela Associação Nacional de Hospitais Privados (Anahp), junto aos seus associados, no dia 18 de março de 2021, ficou clara a escassez de medicamentos essenciais para o tratamento de pacientes acometidos pela Covid-19, especialmente os sedativos necessários para intubação. Alguns destes medicamentos têm estoque médio de apenas quatro dias, como é o caso do propofol e cisatracurio.

Estoque atual:
•Propofol – 4 dias
•Cisatracurio – 4 dias
•Atracúrio – 4 dias
•Rocuronio – 9 dias
•Midazolam – 14 dias
•Fenatanila – 19 dias

Entendemos a preocupação do governo em garantir os insumos necessários para a atenção aos pacientes do Sistema Único de Saúde (SUS), mas a situação do setor privado também é bastante preocupante e, certamente, atingirá o seu ápice nos próximos dias.

Caso essas instituições fiquem sem as medicações necessárias para os procedimentos exigidos em pacientes acometidos pela Covid-19, a alta demanda dos hospitais privados sobrecarregará ainda mais o setor público- agravando a situação do sistema de saúde brasileiro.

Nos últimos dois dias, houve várias requisições, desorganizando a cadeia de suprimentos e privando hospitais dos recursos necessários já contratados para atender à crescente demanda de pacientes com a Covid-19.

Assim sendo, solicitamos ao Ministério da Saúde e demais órgãos competentes atenção urgente em relação à esta questão crítica que a saúde está vivendo, colocando em risco a vida dos pacientes.

Foto: Secom-AM

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: