Amazonas

Dois meses depois do colapso, Manaus ainda tem fila por leitos de UTI

Embora o governo do Amazonas "comemore" redução no tempo de espera, um paciente ainda leva cerca de 24 horas para achar um leito de UTI no estado

A cidade de Manaus novamente ganhou destaque negativo no contexto da pandemia do novo coronavírus em janeiro deste ano. Embora a situação tenha melhorado dois meses depois, ela ainda segue longe de ser considerada tranquila. Neste momento, segundo dados da Secretaria de Estado da Saúde (SES-AM), ainda há 10 pacientes aguardando por leitos em Unidades de Terapia Intensiva (UTI) em todo Amazonas.

Segundo a SES-AM, 14 dos 5.379 pacientes transferidos do Amazonas que estão em tratamento em outros estados da federação. Desses, oito estão leito de enfermaria e seis em UTI. A secretaria garante que os pacientes que ainda aguardam por leitos de UTI seguem sendo assistidos pelas equipes médicas das unidades onde estão internados.

A explosão de casos de Covid-19 levou a rede de saúde do Amazonas ao colapso em janeiro. A situação foi tão grave que a rede não conseguiu atender a demanda de oxigênio das internações e dezenas de pacientes morreram por asfixia mecânica. No final de janeiro, o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Ricardo Lewandowski atendeu ao pedido da Procuradoria-Geral da República (PGR) e abriu inquérito para apurar a conduta do então ministro da Saúde, Eduardo Pazuello.

Tempo de espera ainda existe

Embora o governo do Amazonas comemore redução no tempo de espera para remoção, de acordo com a Central Unificada de Regulação e Agendamento de Consultas e Exames (Cura), ele ainda existe, mesmo depois de dois meses da situação caótica de janeiro.

No auge da crise, um paciente poderia esperar até cinco dias para ser removido para a UTI. Atualmente, a SES garante que esse prazo caiu para a média 24 horas e de leitos clínicos está em 6 horas. O tempo só é maior para pacientes instáveis, que não têm condições hemodinâmicas para uma remoção de avião ou mesmo de ambulância terrestre.

Transferências

Entre janeiro e fevereiro, foram realizadas 5.379 remoções de pacientes com a Covid-19 dentro do Amazonas e 542 para outros Estados, perfazendo um total de 5.921 transferências. Foram transferidos 1.112 pacientes do interior para a capital e 4.267 entre hospitais de Manaus.

Foto: Secretaria de Estado da Comunicação (Secom)

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: