Amazonas

Boletim Covid-19: Amazonas confirma mais 33 mortes nesta quinta-feira (25/03)

Brasil tem novo recorde diário, enquanto juiz autoriza importação de vacinas sem repasse para o SUS

A Fundação de Vigilância em Saúde do Amazonas (FVS-AM) confirmou o registro de 1.165 novos casos de Covid-19, totalizando 343.133 casos da doença no estado nesta quinta-feira (25/03). Foram confirmados mais 33 óbitos por Covid-19, sendo 11 ocorridos no dia 24/03, elevando para 11.893 o total de mortes em todo estado, sendo 8.373 em Manaus e 3.520 no interior.

Entre os casos confirmados há 715 pacientes internados, sendo 366 em leitos (68 na rede privada e 298 na rede pública), 342 em UTI (90 na rede privada e 252 na rede pública) e sete em sala vermelha, além de 140 considerados suspeitos. A taxa de ocupação de UTI’s é de 74%, sendo 76% na rede pública e 75% na rede particular.

Brasil bate recorde

O Brasil atingiu a marca de 12.320.169 casos confirmados nesta quinta-feira. O número de mortos pela doença, por sua vez, chegou a 303.462. Nas últimas 24 horas foram registrados 100.736 novos casos e 2.787 novos óbitos. É o novo recorde diário de casos do país.

Juiz autoriza importação de vacinas sem doação para o SUS

O juiz Rolando Valcir Spanholo, da 21ª Vara Federal de Brasília, autorizou três entidades a importar vacinas contra a Covid-19. A decisão não é definitiva e ainda cabe recurso. A liminar foi motivada por ações protocoladas pelo Sindicato dos Delegados de Polícia do Estado de São Paulo, Associação Brasiliense das Agências de Turismo Receptivo e o Sindicato dos Servidores da Assembleia Legislativa do Estado de Minas Gerais.

O magistrado considerou inconstitucional o artigo 2º da Lei 14.125/21. Pelo dispositivo, pessoas jurídicas de direito privado podem comprar vacinas que tenham obtido liberação emergencial pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), mas obriga a doação de parte dos imunizantes para o Sistema Único de Saúde (SUS).

“Perceba-se que não se trata de furar fila, de quebrar ordem de preferência na aplicação das vacinas adquiridas pelo Poder Público. Aqui estamos falando de permitir que a força, a competência, a agilidade e o poder de disputa da nossa sociedade civil chegue antes e garanta o máximo possível de doses adicionais da vacina contra a Covid-19 para assegurar a saúde e a vida de mais brasileiros”, argumentou.

Com informações e foto da Secretaria de Estado da Comunicação (Secom)

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: