Brasil

Instituto que divulgou pesquisa favorável a Bolsonaro tem histórico de erros e polêmicas

Uma pesquisa de opinião divulgado no site da Revista Veja nesta sexta-feira (25) agitou as redes sociais. Nela, um instituto de pesquisas chamado “Paraná Pesquisas” apontou que o atual presidente da República Jair Bolsonaro (Sem Partido) seria reeleito se as eleições fossem hoje contra os principais candidatos do atual cenário político do país (Sérgio Moro, Ciro Gomes, Lula e Fernando Haddad). No entanto, tanto o instituto de pesquisa quanto seu proprietário possuem histórico de muitas polêmicas.

Em fevereiro deste ano, o Ministério Público Federal (MPF) denunciou o diretor do Paraná Pesquisas Pesquisas, Murilo Hidalgo de Oliveira, por lavagem de dinheiro e associação criminosa em caso envolvendo agentes políticos e uma indústria farmacêutica. A denúncia foi oferecida à Justiça Federal de São Paulo.

Em outubro de 2014, às vésperas das eleições presidenciais, uma pesquisa do mesmo Instituto Paraná foi divulgada pela revista Época e apontava que o candidato Aécio Neves teria 54% dos votos válidos, contra 46% de Dilma Roussef. O resultado final, como se sabe, mostrou Dilma com 41,59%, Aécio com 33,55% e Marina Silva com 21,32%.

Além disso, a Paraná Pesquisas possui lista de reclamações no site Reclame Aqui envolvendo justamente acusações de fraude em pesquisas de opinião. Nenhuma das queixas movidas por usuários foi resolvida. A pesquisa, que segundo a matéria da Veja teria ouvido 2 mil pessoas, não especifica os locais dos entrevistados, nem a metodologia usada na coleta dos dados.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: