Sem categoria

Denúncia lança suspeita sobre eleições presidenciais de 2018

Novas revelações podem comprovar a interferência do presidente Jair Bolsonaro na Polícia Federal, antes mesmo de assumir o cargo. Em entrevista à jornalista Mônica Bergamo, do jornal Folha e S.Paulo, o empresário Paulo Marinho, suplente de Flávio Bolsonaro (Republicanos), disse que o senador ficou sabendo com antecedência por um delegado da Polícia Federal (PF) sobre a Operação Furna da Onça que alcançou Fabrício Queiróz. Segundo Marinho, a operação chegou a ser adiada para não prejudicar a campanha de Bolsonaro no segundo turno contra Fernando Haddad (PT).

Queiróz é acusado de comandar o esquema de “rachadiha” no gabinete do então deputado estadual Flávio Bolsonaro, filho do presidente Bolsonaro. Segundo o ex-aliado, os policiais teriam segurado a operação, então sigilosa, para que ela não ocorresse no meio do segundo turno, prejudicando assim a candidatura de Bolsonaro.

O delegado-informante teria aconselhado ainda Flávio a demitir Fabrício Queiroz e a filha dele, que trabalhava no gabinete do deputado federal Jair Bolsonaro em Brasília. Os dois, de fato, foram exonerados naquele período —mais precisamente, no dia 15 de outubro de 2018. Queiroz estava sumido em dezembro. Mas, segundo Marinho, o senador Flávio Bolsonaro mantinha interlocução indireta com ele por meio de um advogado de seu gabinete.

Furna da Onça e Ramagem

Segundo o empresário, um dos maiores apoiadores de Jair Bolsonaro na corrida presidencial, a informação teria chegado à família ainda em outubro de 2018, fazendo com que a operação chegasse a ser adiada para poupar o presidente e sua família do escândalo.

Depois de vencer as eleições no dia 28 de outubro, apenas em 8 de novembro foi deflagrada a Operação Furna da Onça, em que tem início o caso de Fabrício Queiroz.

Em 2017, Alexandre Ramagem, favorito de Bolsonaro para assumir a Polícia Federal e apontado como pivô da crise que culminou com a saída do ex-ministro Sérgio Moro do governo, atuou nas investigações de deputados estaduais suspeitos de corrupção. Chamava-se Operação Cadeia Velha. A base foi o depoimento do delator Carlos Miranda — que serviu para deflagrar a Furna da Onça.

CPI e anulação das eleições

Deputados e senadores da oposição consideraram grave o conteúdo da entrevista deste domingo (17) do empresário Paulo Marinho para o jornal Folha de São Paulo. O deputado Orlando Silva (PCdoB-SP) disse que a entrevista de Marinho indica que essa é a razão da obsessão de Jair Bolsonaro em interferir na PF, particularmente na superintendência do RJ.

“Lembram quando ele disse que ‘não iria visitar o filho na Papuda’? Pois é, talvez ainda acabem sendo companheiros de cela”, afirmou o deputado. O deputado Márcio Jerry (PCdoB-MA) disse que as revelações do suplente inauguram mais um capítulo dessa longa novela de malfeitos graves da família Bolsonaro e ajudam a esclarecer a obsessão do presidente com a PF no Rio de Janeiro. “Mais luzes também no conluio para eleger Bolsonaro”, completou.

O deputado Alessandro Molon (PSB-RJ) diz que vai ser necessário uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar o caso. “Bolsonaro havia dito que as eleições tinham sido fraudadas. Ele tinha razão, mas quem participou de fraude foi a família dele! As evidências estão aí: as eleições de 2018 foram manipuladas para favorecer o atual presidente! CPI JÁ PRA INVESTIGAR!”, postou no Twitter.

O senador Humberto Costa (PT-PE) avalia dois fatos graves na entrevista. “Suplente de Flávio Bolsonaro, Paulo Marinho, afirma que integrantes da PF informaram a Flávio sobre operação seria deflagrada contra Queiroz. E mais: a ação só foi feita depois da eleição para não atrapalhar a candidatura do seu pai.”

Para o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) a matéria da Folha revela que a interferência de Bolsonaro e de sua família na Polícia Federal já ocorria antes mesmo do início de seu governo. “As revelações feitas por Paulo Marinho são gravíssimas!”, considerou.O senador diz que vai peticionar ao inquérito que tramita no STF (Supremo Tribunal Federal) um pedido para que Paulo Marinho seja ouvido.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: