Eleições 2022 Em Destaque

Ministério da Defesa volta a contestar sistema eleitoral; TSE rebate

Após divulgar relatório onde não aponta qualquer irregularidade nas eleições, Ministério da Defesa volta a levantar suspeitas sobre o sistema, o que deve reforçar o discurso golpista de apoiadores do presidente Jair Bolsonaro

Atualizada às 11h35

Menos de 24 horas depois de divulgar um relatório onde não aponta qualquer irregularidade no sistema de votação brasileiro, o Ministério da Defesa voltou atrás e emitiu nesta quinta-feira (10/11/2022) nota reforçando suspeitas sobre o sistema. A declaração deve reforçar o discurso golpista de apoiadores do presidente Jair Bolsonaro (PL) que pedem intervenção militar após a eleição de Luís Inácio Lula da Silva (PT) no último dia 30 de outubro. O TSE, por sua vez, rebateu.

No novo documento, os militares insistem que, embora não tenha apontado nenhuma irregularidade (galeria abaixo), também não excluiu a possibilidade da existência de fraude ou inconsistência nas urnas eletrônicas e no processo eleitoral de 2022. O Ministério afirma que há “possível risco” à segurança das urnas porque em determinado momento existe um acesso dos computadores à rede do TSE, o que poderia ocasionar uma possível invasão ao sistema.

Ainda segundo a nota, os testes de funcionalidade das urnas (Teste de Integridade e Projeto-Piloto com Biometria), não foram suficientes para afastar a possibilidade da influência de um eventual código malicioso capaz de alterar o funcionamento do sistema de votação. Por isso, o Ministério da Defesa solicitou ao TSE “uma investigação técnica” sobre as queixas.

TSE rebate minutos depois

Minutos depois da divulgação da nota, o TSE respondeu em uma postagem em seu site oficial afirmando que mais de 120 observadores internacionais, depois de analisar por meses a urna eletrônica brasileira, vieram ao país acompanhar a votação e a totalização dos resultados, durante o primeiro e o segundo turno, realizados nos dias 2 e 30 de outubro. Além dos observadores estrangeiros, oito instituições nacionais presenciaram os trabalhos do processo eleitoral deste ano.

Análise

O Ministério da Defesa segue apostando no discurso dúbio pra manter a base bolsonarista acampada em frente aos quartéis mobilizada. Ao mesmo tempo em que afirma categoricamente que nada foi encontrado, insiste em dar munição para discursos golpistas que colocam em dúvida o sistema eleitoral.

1 comentário

  1. quando o palhaço acabar na cadeia ele vai se arrepender de ter contestado, quem tem o poder de fiscalizar voto é TSE e ponto final, não está feliz suma do País.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: