Amazonas

Operação Javari: DPU cobra criação de gabinete de crise em Atalaia do Norte

A Defensoria Pública da União (DPU) pediu via ofício encaminhado para a Polícia Federal nesta sexta-feira (10/06/2022) a criação de um gabinete de crise para articulação dos atores governamentais envolvidos nas buscas pelo indigenista Bruno da Cunha Araújo Pereira e pelo jornalista britânico Dom Philips. A sala de situação deve ser instaurada em Atalaia do Norte, a oeste do Amazonas, que concentra os trabalhos de busca dos dois desaparecidos desde o último domingo (05/06/2022).

A sala de situação, de acordo com a DPU, deve reunir os órgãos, no mínimo, uma vez por dia, com o objetivo de informar como foram as buscas e alinhar estratégias de atuação. Devem estar presentes:

  • O Exército Brasileiro;
  • A Marinha do Brasil;
  • A Polícia Federal;
  • O 8ª Batalhão da Polícia Militar de Tabatinga;
  • O Batalhão Ambiental da Polícia Militar;
  • A Polícia Civil de Tabatinga, o Corpo de Bombeiros;
  • A Fundação Nacional do Índio (FUNAI);
  • A Defesa Civil;
  • A União dos Povos Indígenas do Vale do Javari (UNIVAJA).

Durante a entrevista coletiva concedida nesta terça-feira (07/06/2022), a Polícia Federal garantiu que esses órgãos se reuniriam todo dia às 15h, mas não estavam presentes representantes da FUNAI e da UNIVAJA. A instituição também aponta como fundamental a presença de “no mínimo, um indígena da Equipe de Vigilância da UNIVAJA (EVU)”, em cada embarcação envolvida nas buscas, já que “os povos indígenas do Vale do Javari possuem um maior conhecimento empírico de toda a região, assim, é muito importante que acompanhem as buscas com as autoridades”.

Reforço nas buscas

Na quarta-feira (8), a Justiça atendeu pedido da DPU e da Univaja e determinou que o Governo Federal efetivasse imediatamente a viabilização de reforços para auxiliar no resgate do jornalista e do indigenista. As instituições cobraram o uso de helicópteros, embarcações e equipes de buscas da Polícia Federal, das Forças de Segurança ou das Forças Armadas (Comando Militar da Amazônia).

Com informações da Assessoria de Comunicação Social da Defensoria Pública da União

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: