Amazonas

Manaus se prepara para nova cheia severa no Rio Negro

Um ano após enfrentar a maior cheia do Rio Negro dos últimos 119 anos, Manaus se prepara para um desafio do mesmo porte. Em 2022, a previsão da Defesa Civil e dos boletins emitidos pelo Serviço Geológico do Brasil (CPRM) no estado é de chuvas intensas até o final do mês de maio e probabilidade de 80% que o Rio Negro atinja a cota de 29,8 metros, podendo chegar a 30,1m.

A metragem é considerada pelo CPRM como severa, semelhante à do ano passado, que alcançou 30,01 metros em junho de 2021, e motivou, desde o mês de janeiro de 2022, esforços da Defesa Civil de Manaus e de outros 18 órgãos municipais para prestar assistência a mais de 4 mil famílias diretamente afetadas pelo fenômeno natural.

As cheias que ocorrem na orla de Manaus e entorno são devidas, em sua maior parte, às contribuições do Rio Solimões e seus afluentes da margem direita e, em menor grau, aos tributários da margem esquerda, causando influência sobre o Rio Negro e afetando a cidade de Manaus. De acordo com os boletins divulgados pelo CPRM no mês de abril, o Rio Negro apresentou processo intenso de enchente em todos os pontos monitorados, com níveis acima dos esperados para o período do ano.

A prefeitura estima que este seja o total de afetados pelos alagamentos naturais deste ano e, por isso, se antecipou com ações de contingência que vão abranger 19 bairros, além de 12 comunidades rurais à beira do Rio Negro e 14 às margens do Rio Amazonas. Além da construção de pontes de acesso, a população atingida será atendida com cestas básicas e auxílio aluguel.

Onze bairros já apresentam pontos de alagação, visto que o Rio Negro atingiu a cota de 29,19m na última sexta-feira (13/05/2022), de acordo com a Defesa Civil. Destes 11, nove já iniciaram a construção temporária de pontes para garantir a circulação das famílias afetadas. São eles: Jardim Mauá, Mauazinho, Colônia Antônio Aleixo, Puraquequara, Tarumã, Educandos, São Jorge, Santa Luzia, Presidente Vargas e Centro de Manaus.

“Espera-se que o Rio Negro atinja 29,4m, uma cota muito parecida com a do ano passado, que foi de 30m. Apesar de ser diferente em números, a severidade é a mesma. Portanto, o plano de contingência criado para Manaus é muito parecido com o do ano passado, quando tivemos uma cheia recorde”, declara o secretário.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: