Amazonas

Governo do Amazonas reforça que pescado vindo da piscicultura é seguro

O Governo do Amazonas, por meio das secretarias de Produção Rural (Sepror) e de Saúde (SES-AM), da Agência de Defesa Agropecuária e Florestal do Amazonas (Adaf) e da Fundação de Vigilância em Saúde Dra. Rosemary Costa Pinto (FVS-RCP), reforça nesta terça-feira (21/09/21) que o pescado com origem na piscicultura não tem qualquer restrição de consumo. O esclarecimento consta de Nota Técnica conjunta sobre o surto da doença de Haff (rabdomiólise) no estado.

Conforme a nota, não foi relatado consumo de peixes de piscicultura entre os casos notificados de doença de Haff no Amazonas. No documento, os órgãos esclarecem que “os casos apresentam relato de consumo de peixe de vida livre, não sendo identificado o consumo de pescados provenientes de piscicultura entre os casos notificados da doença”.

Ainda conforme a nota, os peixes advindos de piscicultura seguem as normas de controle de processos estabelecidas pelos órgãos responsáveis, que vão desde a aquisição dos alevinos, passando pelo manejo, alimentação até a conservação dos produtos.

O secretário adjunto de Pesca e Aquicultura da Sepror, Leocy Cutrim, comentou a divulgação, dizendo que “o objetivo desta nota conjunta é minimizar os efeitos causados pelo surto da doença de Haff na economia do mercado de pescado local, tanto no município de Manaus como em todo o Amazonas. O peixe da piscicultura é saudável e bastante consumido, tanto o tambaqui como a matrinxã, sem relação com nenhum caso de rabidomiólise”.

A nota destaca também que a rabdomiólise é uma síndrome que consiste na ocorrência de lise de células musculares esqueléticas, determinando súbita rigidez muscular, mialgia difusa, dor torácica, dispneia, dormência, perda de força em todo o corpo e urina cor de café, associada à elevação sérica da creatinofosfoquinase (CPK).

Ocorrência – A doença, popularmente conhecida como “síndrome da urina preta”, já aconteceu anteriormente nos estados do Amazonas, tendo tido 27 casos em 2008, 74 casos em 2015 e 63 casos atualmente (conforme último balanço). Outros casos foram detectados na Bahia, sendo 71 casos em 2017 e 40 em 2020.

A ocorrência da rabdomiólise é comum em doenças e agravos como traumatismos, atividades físicas expressivas, crises convulsivas, consumo de álcool e outras drogas e infecções, e pode estar associada a toxina biológica, até então não identificada, assim como ao consumo de pescados. É comumente denominada de doença de Haff.

Com informações da Secretaria de Estado da Comunicação (Secom)

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: