Amazonas

Deputada entra com ação contra casa de show e homem por apologia ao feminicídio

A deputada estadual Joana Darc (PL), formalizou na tarde desta quarta-feira (03/11/21), representação junto ao Ministério Público do Estado do Amazonas (MPE), contra o tatuador Rodrigo Fernandes, por apologia ao crime de feminicídio, ao se “fantasiar” de goleiro Bruno, no último dia 1, no bar Porão do Alemão. A casa de show publicou a imagem em suas redes sociais e também foi arrolada a representação.

De acordo com a deputada Joana Darc, é preciso sair do discurso e partir para a ação contra o crime de violência contra a mulher, contra a memória das famílias. “E eu vim aqui para registrar o meu repúdio, para registrar que nesta Casa Legislativa esse fato não passará impune. Não é por conta de um crime de maior ou menor relevância, não é por conta de ser mimimi. É para mostrar para a sociedade que não é normal violentar mulher, que a gente precisa combater o feminicídio, que a gente precisa respeitar as famílias, que a gente precisa sair do discurso, sair das campanhas e ir para ação e denunciar atos e gestos como estes”, reforçou Joana Darc em discurso na Assembleia Legislativa do Amazonas (Aleam).

A deputada Joana Darc, que é advogada, lembrou que esse tipo de crime, tipificado no Código Penal Brasileiro, é um crime contra toda a sociedade brasileira. Ela ressalta o crescente número de crimes cometidos contra as mulheres. “Enquanto eu estou falando aqui, várias mulheres nesses poucos minutos já foram violentadas, já foram até mortas, porque todos os dias o número de feminicídio, de violência contra a mulher só aumentam e ainda mais num momento como a pandemia que estamos passando, por isso, não podemos nos calar”, pontuou Joana Darc.

Na tribuna da Casa Legislativa, Joana Darc que é membro da Comissão de Defesa da Mulher da Aleam, ao demonstrar repúdio ao fato, fez questão de dizer que não se trata de uma fantasia de halloween. “Essa imagem de um homem “fantasiado” do goleiro Bruno e carregando um saco preto de lixo com o nome de Eliza. No primeiro momento, pode até parecer uma brincadeira, uma fantasia de halloween. Mas essa imagem representa uma apologia ao crime de feminicídio. Ela representa um desrespeito a família de uma mulher que foi morta, estrangulada, esquartejada, que seu corpo foi dado para os animais comerem e que até hoje a família não teve o direito de enterrar o seu ente querido. Como mulher, como mãe, como deputada, eu fico muito indignada”, disse Joana Darc.

O fato

O fato ocorreu na madrugada de segunda-feira, 01, durante uma festa de halloween, na casa de show Porão do Alemão. A imagem foi publicada nas redes sociais (Instagram) da casa de show, que conta com mais de 185 mil seguidores. Teve grande repercussão, até chegar na mãe e no filho de Eliza Samudio. Cabe ressaltar que Eliza foi vítima de feminicídio, crime inserido pela Lei 13.104/15, que alterou o Código Penal brasileiro, incluindo como qualificador do crime de homicídio, de forma que o feminicídio atualmente é um crime hediondo.

Com informações da assessoria da parlamentar

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: