Amazonas

Covid-19: quase 140 mil pessoas estão com segunda dose da vacina atrasada no Amazonas

Boletim VigiVac, painel da Fundação Oswaldo Cruz mostra que em todo o Amazonas, há cerca de 139.609 pessoas com a segunda dose da vacina contra a Covid-19 atrasada. São Paulo de Olivença é a mais atrasada em todo o país

A Fundação Oswaldo Cruz lançou nesta quarta-feira (29/09/21) o primeiro Boletim VigiVac, que acompanha o cumprimento do esquema vacinal proposto contra a Covid-19. Dessa forma, é verificada a efetividade das vacinas utilizadas pelo Programa Nacional de Imunizações (PNI) no Brasil. Em todo o Amazonas, há cerca de 139.609 com vacinas atrasadas. O boletim completo pode ser acessado aqui.

A cidade de São Paulo de Olivença (distante 990 km de Manaus) é a mais atrasada em todo o país, com 4.818 atrasados, o que representa 59% dos indivíduos que se vacinaram com a vacina da AstraZeneca e 97% da população vacinada com a Coronavac. A capital, por sua vez, possui 38.616 pessoas com a imunização em atraso, mas em uma proporção bem menor: 8% da AstraZeneca, 14% da Coronavac e 0,5% da Pfizer.

Atraso ainda é pequeno

Os primeiros resultados, feitos com base nos dados lançados até o dia 15 de setembro, mostram que a taxa de atraso nacional para todas as vacinas é de 11%, sendo de 15% para a Astrazeneca, 33% para a CoronaVac e 1% para a Pfizer-BioNTech. A Fiocruz ressalta, no entanto, que a vacinação com o imunizante da Pfizer começou apenas em maio e que a quantidade de indivíduos em possível atraso ainda é pequena.

Para a AstraZeneca e a Pfizer, foram considerados 84 dias de intervalo para a segunda dose, e para a CoronaVac o prazo é 28 dias. O painel leva em conta os indivíduos que tomaram a primeira dose e que ainda não tomaram a segunda. A situação de atraso é caracterizada após 14 dias da data prevista para a segunda injeção.

Em um recorte estadual, o Ceará tem a maior proporção de pessoas em atraso para a segunda dose, com 33%, e o Rio Grande do Norte tem a menor proporção, com 5,4%. Em números absolutos, São Paulo está com 1,25 milhão de pessoas que tomaram a primeira dose e não voltaram na data prevista para a segunda, Rio de Janeiro tem 956,9 mil e Bahia tem 907,5 mil que não retornaram aos postos. Os menores números são em Roraima (21,5 mil), Acre (28,3 mil) e Amapá (31,1 mil).

Risco da efetividade

A Fiocruz destaca que o atraso da segunda dose pode “comprometer seriamente a efetividade das vacinas no país” e, portanto, “é de extrema importância realizar este monitoramento para promover ações que atuem de forma assertiva na resolução do problema”.

Os dados são atualizados semanalmente e podem ser visualizados de forma interativa, nos âmbitos municipal e estadual, além de por tipo de vacina, com o percentual e o número de indivíduos em atraso para completar a imunização contra a covid-19. Segundo a Fiocruz, “o objetivo do painel é apoiar os gestores públicos a identificar municípios que precisam de suporte para acelerar a vacinação da segunda dose”.

Com informações da Agência Brasil

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: