Amazônia

Amazonas têm péssimo desempenho em ranking de sustentabilidade

Divulgado nesta quarta-feira (21/09/2022), o Índice de Desenvolvimento Sustentável das Cidades traz um grave alerta ao estado do Amazonas: das 5 piores classificadas no ranking nacional, duas estão no estado, Lábrea e Boca do Acre. No panorama geral, o estado é o segundo pior classificado no Índice, apenas na frente do Pará.

O Índice traz uma metodologia inédita para avaliar as 5570 cidades, estados, regiões e biomas brasileiros, de acordo com os 17 ODS (Objetivos de Desenvolvimento Sustentável) das Nações Unidas. Todos os municípios do Amazonas estão na pior classificação para os ODS 3 – Saúde e Bem-estar, ODS 4 – Educação de Qualidade, ODS 6 – Água Limpa e Saneamento, ODS 10 – Redução das Desigualdades e ODS 14 – Vida na Água.

A nota média dos municípios amazônicos é 38,05, quase 10 pontos abaixo da média nacional. Dos 62 municípios do estado, apenas Manaus alcançou no IDSC-BR uma nota acima da média nacional, que é de 46,9 pontos. 49 municípios foram classificados em nível muito baixo de desenvolvimento e 13 na classificação de baixo desenvolvimento sustentável.

É importante lembrar que todos eles se encontram inseridos na Amazônia Legal, região com os piores índices do país. Às vésperas da eleição geral de 2022, o IDSC denuncia que nenhuma cidade brasileira alcançou o nível muito alto de desenvolvimento. Dos 5570 municípios, 752 estão no nível muito baixo, o que dá a medida do enorme desafio que ainda temos pela frente. Chama também atenção a oposição entre os indicadores de desenvolvimento sustentável das regiões Sudeste e Norte.

As cidades de São Paulo e do Pará são, respectivamente, os estados com os melhores e piores indicadores no país. Enquanto as 10 melhores são paulistas, a Amazônia Legal, por sua vez, reúne 48, dos 50 piores municípios classificados. Conheça a íntegra do IDSC e a classificação de todas as cidades brasileiras no portal do IDSC-Br.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: