Amazônia

Apenas 21% das crianças de Manaus foi vacinada contra o sarampo em 2022

A Prefeitura de Manaus alertou para a baixa vacinação contra o sarampo na capital do estado. Apenas 21,80% das crianças de seis meses a menores de 5 anos receberam a vacina tríplice viral, ou seja, apenas 34.848 do público estimado em 159.789

A Prefeitura de Manaus alertou nesta quinta-feira (26/05/2022) para a baixa vacinação contra o sarampo na capital do estado. Apenas 21,80% das crianças de seis meses a menores de 5 anos receberam a vacina tríplice viral, ou seja, apenas 34.848 do público estimado em 159.789.

“Estamos preocupados, principalmente, com as crianças de seis meses a menores de 2 anos, pois sabe-se na medicina que elas podem desenvolver formas mais agressivas do sarampo, e os responsáveis não as estão levando para tomar a vacina. Apenas 30% do público até 11 meses e 29 dias foi vacinado, e 16% do público com 1 ano. É um cenário que precisa ser revertido imediatamente”, alertou o secretário municipal de Saúde, Djalma Coelho.

Nesta quarta-feira (25/05/2022), a Fundação de Vigilância em Saúde do Amazonas confirmou o primeiro caso de sarampo do Amazonas, registrado em Manacapuru (distante 101 quilômetros de Manaus). Trata-se de uma criança de um ano de idade, sem histórico da aplicação da primeira dose de vacina de tríplice viral, residente da área rural do município.

Ao todo, a Secretaria Municipal de Saúde (Semsa) já aplicou mais de 300 mil imunizantes durante a Campanha de Vacinação Contra Influenza e Sarampo, que teve início no dia 4 de abril deste ano. Atualmente, sete grupos prioritários estão sendo contemplados com as vacinas.

Até a última terça-feira, 24/5, foram aplicadas 233.219 doses da trivalente, eficaz contra três cepas de vírus da influenza (H1N1, H3N2 e linhagem B/Victoria), e outras 80.118 doses da tríplice viral, que protege contra o sarampo, caxumba e rubéola. A Semsa estima que 455.143 pessoas sejam imunizadas contra a influenza e 216.407 contra o sarampo.

Documentos

A vacina contra influenza está disponível para crianças de seis meses a menores de 5 anos; idosos de 60 anos ou mais; trabalhadores da saúde (rede pública e privada); gestantes; puérperas (até 45 dias após o parto); professores; e indígenas aldeados. O imunizante contra o sarampo pode ser tomado por crianças de seis meses a menores de 5 anos e trabalhadores da saúde.

Djalma Coelho ressaltou que 171 salas de vacina estão aplicando os imunizantes, incluindo unidades de saúde de horário ampliado, que atendem até 20h em dias úteis, e de 8h às 12h aos sábados, e mais seis Divisões Distritais Zonais (DDZ) da Secretaria Municipal de Educação (Semed). A lista com os endereços e horários está disponível no site da Semsa (semsa.manaus.am.gov.br) ou diretamente pelo link: http://bit.ly/salasdevacinamanaus.

De acordo com o secretário, os usuários devem apresentar um documento de identidade com foto ou certidão de nascimento, além do cartão de vacina. Os trabalhadores da saúde precisam levar um comprovante de vínculo empregatício (contracheque, carteira de trabalho ou crachá), e grávidas e puérperas, o cartão de pré-natal.

Influenza

A subsecretária de Gestão da Saúde da Semsa, Aldeniza Araújo de Souza, informou que a meta estipulada pelo Ministério da Saúde é alcançar 90% do público-alvo com a vacina contra a influenza (gripe). O público que mais avançou na vacinação foi o de trabalhadores da saúde, com 47.729 doses aplicadas, o que representa 84,30% do público estimado para esse grupo.

Segundo Aldeniza, o imunizante já foi recebido por 15.248 professores (74,97%); 111.701 idosos (60,30%); 2.090 puérperas (45,44%); 48.165 crianças (30,14%); e 8.286 gestantes (29,62%). A subsecretária ressaltou que a secretaria prevê imunização de 583 indígenas aldeados, mas as ações são coordenadas pelo Distrito Sanitário Especial Indígena (Dsei). Já a imunização contra o sarampo tem como meta atingir 95% do público-alvo. Dos 56.618 trabalhadores da saúde na capital, 45.270 foram vacinados, ou seja, 79,96% desse grupo.

A Semsa aguarda o recebimento de novas doses da trivalente pelo Ministério da Saúde para ampliar a vacinação contra influenza para pessoas com deficiência permanente; Forças de Segurança e Salvamento; Forças Armadas; caminhoneiros; trabalhadores de transporte coletivo rodoviário de passageiros urbano e de longo curso (motorista e cobrador em exercício efetivo); trabalhadores portuários; funcionários do sistema prisional; adolescentes e jovens de 12 a 21 anos de idade sob medidas socioeducativas; população privada de liberdade; e pessoas portadoras de doenças crônicas não transmissíveis e outras condições clínicas especiais).

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: