Amazonas Covid-19

Amazonas testou apenas 35% da sua população desde o início da pandemia

Desde a confirmação do primeiro caso de Covid-19 no Amazonas, no dia 13 de março de 2020 até esta sexta-feira (07/01/22), o governo do estado só realizou 1.501.181 testes para confirmar casos positivos da doença, o equivalente a apenas 35% de toda sua população total. A ampla testagem da população é medida essencial para o controle da pandemia, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS).

Considerando apenas os testes que detectam casos ativos e permitem o isolamento de infectados, o chamado RT-PCR, o número é ainda mais baixo: apenas 301.409 amazonenses foram submetido a esse exame, o que representa apenas 7,5 % da população total do estado. Com isso, é praticamente impossível estabelecer medidas de saúde pública e detectar novas variantes, o que torna mais preocupante com a chegada da variante Ômicron a Manaus.

“Em um estado dupla e dramaticamente castigado pela epidemia de Covid-19, não é razoável. Ao mesmo tempo que esse sofrível desempenho da vigilância laboratorial expõe um grave erro das autoridades sanitárias no Amazonas, também ajuda a entender porque tivemos duas ondas explosivas consecutivas de contágios e mortes, em 2020 e 2021”, afirma o epidemiologista Jesem Orellana, pesquisador da Fundação Oswald Cruz Amazônia (Fiocruz Amazônia).

Quais são os testes feitos?

Pra entender por que essa baixa testagem representa um problema, primeiro é preciso entender os diferentes tipos de testes para a Covid-19 que são disponibilizados no país e no Amazonas consequentemente. O primeiro deles é o RT-PCR. A sigla em inglês significa: Reação em Cadeia da Polimerase com Transcrição Reversa. Esses testes determinam de forma mais confiável se a pessoa tem ou não Covid-19, porque identificam a presença de material genético do vírus no corpo.

O segundo é o chamado teste sorológico, que coletam sangue do paciente (pela veia ou pela ponta do dedo), capazes de dar uma resposta quase imediata se a pessoa já teve a doença. O problema é que não se sabe quando. Além disso, como eles são baseados na resposta imunológica do paciente, que pode variar de pessoa para pessoa, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) alerta que esses testes não confirmam de forma definitiva se a pessoa tem ou não a doença. 

O último modelo usado no país atualmente é o teste de antígeno. Ele detecta proteínas na superfície do vírus, e também serve para captar infecções ativas. A grande vantagem é que ele pode ser processado no próprio local da coleta, com resultado em apenas 15 minutos. O problema dele é que um resultado negativo não significa necessariamente que você não tem Covid-19, por isso é preciso repetir o exame de 24 a 48 horas após a primeira realização caso dê negativo.

Governo do Amazonas testa pouco e mal

Como foi explicado, o teste que mais deveria ser realizado por permitir isolar pacientes com a Covid-19 deveria ser o RT-PCR, por ser mais preciso. Ou pelo menos os de antígeno, que são preciso e bem mais rápidos e práticos. No entanto, a proporção é justamente a inversa.

Dos 1.501.181 testes realizados em todo o Amazonas, apenas 301.409 (cerca de 20%) foram do tipo RT-PCR e 153.420 (cerca de 10%) foram de antígeno. A maioria foi sorológica, com 1.046.352 exames (cerca de 70%). E do tipo rápido, que usa coleta de sangue no dedo, que é ainda menos preciso.

A título de comparação, países da África com população igual ao estado do Amazonas ou à capital Manaus testam proporcionalmente mais a sua população. A Namíbia, com 2.055.080 habitantes, população menor que Manaus, realizou 2.039.000 testes. Botswuana, com população ainda menor, de 1.815.508 pessoas, fez 7.976.000 testes. Por último, o Gabão, com 1.454.867 pessoas, realizou 1.743.000 testes. As informações são do site de monitoramento Our World In Data, da Universidade Johns Hopkins (EUA).

A Secretaria de Estado de Saúde (SES-AM) orienta a população a apenas procurar a testagem em caso de sintomas gripais. No caso, a coleta pode ser feita em em uma Unidade Básica de Saúde (UBS), mais próxima. Para tentar agilizar esse processo, a SES-AM afirma ter ampliado a oferta do teste de antígeno, e caso seja identificada a presença do novo coronavírus, é realizado o teste RT-PCR. 

“Quando a vigilância laboratorial funciona tão mal assim, é impossível monitorar de forma correta a evolução da epidemia, prever oportunamente gastos em assistência médico-hospitalar e contratar recursos humanos, por exemplo, fazendo com que a população esteja sempre mal informada e literalmente subestimando o avanço do espalhamento viral. Em outras palavras, induz ao erro! Como fazer isolamento preventivo de casos ativos na comunidade ou rastreamento adequado de contatos com tamanha subnotificação?”, alerta Jesem Orellana.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: