Entretenimento

Teoria Nerd: como WandaVision e Deadpool vão explicar os mutantes no MCU

ATENÇÃO! O texto a seguir contém spoilers de WandaVision

Embora tenha sido uma das maiores transações da história da indústria do entretenimento mundial, a compra da FOX pela Disney, em dezembro de 2017, trouxe mais interesse para os fãs de cinema e quadrinhos pelo mundo por conta de uma pergunta: como os mutantes, mais precisamente os X-Men, vão ser introduzidos no Universo Cinematográfico da Marvel (MCU, em inglês)?

Pra quem não sabe, antes de ser adquirida pela Disney e antes mesmo de lançar estúdio próprio em 2008, a Marvel era “apenas” uma produtora de quadrinhos e estava falida nos anos 1990. Por conta disso, vendeu os direitos dos seus personagens mais famosos para que estúdios de cinema pudessem fazer filmes. Uma dessas empresas foi justamente a FOX, que adquiriu os direitos dos X-Men, Quarteto Fantástico, Deadpool e Demolidor.

E, de fato, vários filmes foram feitos. Só que dessas franquias, nenhuma delas (salvo alguns filmes dos X-Men e Deadpool) foram um sucesso absoluto de público e crítica. Pelo menos não ao estilo Vingadores, Capitão América e Homem de Ferro. A sensação era que faltava algo. Para os fãs, faltava a visão de alguém que entendesse a essência das histórias como o produtor Kevin Feige, chefão do Marvel Studios que conseguiu estabelecer centenas de personagens de maneira coesa.

A compra da FOX pela Disney trouxe a “esperança” de que personagens como os X-Men e o Quarteto Fantástico ganhem adaptações mais fieis e com histórias mais elaboradas. Mas antes, é preciso resolver a questão: como introduzir personagens estabelecidos por mais de 20 anos de filmes em outro universo de histórias, fazendo com que o público em geral se acostume com isso? E tem mais um problema: apesar dos filmes da FOX não serem unanimidade, alguns elementos deles, como o Wolverine de Hugh Jackman e o Deadpool de Ryan Raynolds são entre os fãs. Como superar isso?

A resposta pode ser aproveitar uma premissa que já existe e estar começando a ser explorada em WandaVision, série da Marvel exclusiva do serviço de streaming Disney+. Vamos explicar:

Tudo começa em Deadpool

Pra começar, vale lembrar que o Deadpool (2016) de Ryan Reynolds já está confirmado no Universo Cinematográfico da Marvel. A informação foi do próprio Kevin Feige, que coordena todos os rumos dos personagens. E não será um reboot, mas uma continuação direta, inclusive com nome provisório de Deadpool 3. Isso significa que tudo que foi feito com o personagem não só continua valendo, como se aplica aos outros do MCU.

Em que isso é importante? Tudo! No filme de 2016, Wade Wilson, o personagem de Reynolds, é diagnosticado com câncer terminal. Em desespero, ele procura uma organização secreta que havia oferecido ajuda. Essa organização revela que algumas pessoas JÁ SÃO mutantes, só que os genes X (que causam as mutações) estão “adormecidos” e só são “ativados” sob forte estresse. E justamente por isso Wade é torturado de tal forma que sua aparência fica completamente desfiguradas. Só nesse ponto que seus poderes são, enfim, ativados.

Forte estresse é a única forma de ativar genes X em Deadpool

Trazendo essa informação para WandaVision

Agora pegue esse informação e traga para WandaVision, mais precisamente para o que está acontecendo com Mônica Rambeau. A personagem de Teyonah Parris está mudando desde que interagiu com o evento causado aparentemente por Wanda Maximoff em Westview. Mais do que isso: essas mudanças acontecem cada vez que Mônica entra em contato com a energia do HEX (nome dado ao evento).

Mônica retornou após o “Blip”. Mas retornou igual?

Aliás, a própria origem dos poderes da Feiticeira Escarlate ainda é obscura. Na cena pós-créditos de Capitão América: O Soldado Invernal, ela e o irmão Pietro são mostrados desorientados enquanto manifestam os poderes supostamente adquiridos pela exposição à Jóia da Mente em experimentos da Hydra. Mas isso não fica claramente explicado. Na verdade, sequer falam quais experimentos são esses.

E se, tal qual Wade Wilson em Deadpool, Mônica, Wanda e Pietro JÁ FOSSEM mutantes e simplesmente seus genes X estivessem inativados até a exposição aos poderes da jóia? Ao que parece, a exposição aos poderes do artefato são extremamente traumáticas. Tão traumáticas que foram capazes de aleijar nada menos que o Hulk e o Thanos e matar instantaneamente o Homem de Ferro mesmo com sua armadura.

Agora imagine que TODO O UNIVERSO foi exposto duas vezes aos mesmos poderes (o equvalente ao estresse experimentado pelo Deadpool) no intervalo de tempo de cinco anos, entre o estalar de dedos de Thanos em 2018 e o Blip do Hulk em 2023. Pronto! Mutantes estabelecidos. É a saída perfeita pra introduzir todos, ao mesmo tempo que fica explicado por que eles não existiam até então.

Ah, mas e o Mercúrio? E o Multiverso? Com entram nisso?

Sei que você vai perguntar: mas e onde entra o Mercúrio nessa história? Afinal, colocaram o mesmo ator que interpretou o personagem nos filmes da FOX (Evan Peters) ao invés do que morreu em Vingadores: Era de Ultron (Aaron Taylor-Johnson). Isso não pode ser coincidência. E de fato, não é.

Ora, lembra quando eu disse que introduzir os mutantes não era o único desafio? Que apesar das críticas, vários elementos e até mesmo filmes da FOX eram queridos pelos fãs e criaram uma profunda identificação no público? Pra muita gente, o Wolverine é Hugh Jackman, James McAvoy e Michael Fassbender são perfeitos como Charles Xavier e Magneto, respectivamente e o próprio Mercúrio de Peters é muito mais elogiado do que a versão de Johnson. E se fosse possível “reaproveitar” esses atores, tendo a chance de reescrever seus personagens? Aí entra a questão do Multiverso.

Sabemos que tanto o Snap quanto o Blip manipularam uma quantidade absurda de energia no universo, influenciando diretamente o tempo e o espaço. Seria absolutamente verossímil imaginar que tais eventos tivessem gerado alguma anomalia temporal que abrisse uma fenda para outras dimensões e universos. Lembrando que o conceito de multiverso com versões parecidas com este é um conceito estabelecido na própria Marvel, desde que foi citado pela Anciã em Doutor Estranho.

Em quadrinhos, é muito comum usar esse recurso. versões parecidas dos mesmos personagens como forma de aproveitar ideias interessantes, apagar o que não é desejado e reescrever narrativas sempre que desejado. E é uma tendência que será levada ao cinema. Já falamos sobre isso neste texto aqui.

E o Mephisto?

Ao contrário do que a maioria acredita, não acho que o Mercúrio da série seja o Mephisto. Aliás, duvido muito que o vilão seja de WandaVision ou mesmo venha a ser usado. Como bem lembrou o youtuber Miguel Lokia, o mercado chinês é um dos mais importantes para Hollywood, principalmente agora, em tempos de pandemia, uma vez que o país é um dos mais populosos do mundo e um dos poucos a manter atividades econômicas pela sua gestão competente da crise. Introduzir um elemento de forte apelo religioso não cairia nada bem lá. Não por acaso uma série de produções precisam ser adaptadas pra não incomodar o público chinês.

A meu ver, o vilão é o Pesadelo, antagonista do Doutor Estranho, inclusive sendo cotado para aparecer no segundo filme do Mago Supremo e que tem, olhem só, a presença da Feiticeira Escarlate confirmada. Nas HQ’s, o Pesadelo é um demônio interdimensional, que se alimenta do medo das pessoas durante o sono. Agora, observando os moradores de Westview, parece ou não parece que estão todos dormindo? Sonhando?

A própria Wanda alterna momentos de parcial consciência e desorientação. Ela parece estar em conflito entre manter aquela ilusão para não lidar com as perdas que sofreu na vida e manter pessoas presas contra suas vontades. É como se ela estivesse sob influência de outra pessoa. E justamente quando Visão se dá conta do que está acontecendo e parece que vai despertá-la, surge uma figura impactante para ela: o próprio irmão que julgava morto.

O Mercúrio de Peters pode ter sido usado por ser o “equivalente” ao Mercúrio desse universo, que já estava morto e não poderia ressurgir. Ou mesmo ser o Mercúrio de outra dimensão que caiu acidentalmente aqui por conta do Blip e acabou sendo usado pelo Pesadelo.

O fato é que usarem Peters pra interpretar o mesmo personagem não é mera coincidência, ainda mais quando sabemos que o Deadpool de Ryan Raynolds voltará exatamente como antes. De alguma forma, o universo da FOX está estabelecido. Resta saber se essa teoria vai se confirmar. O jeito é esperar os novos episódios.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: